O Fidalgo aprendiz

a partir do texto homónimo deD. Francisco Manuel de Melo
encenaçãoJoão Pedro Vaz
30 mar - 15 mai 2011
4.ª a 6.ª 11h
sáb. e dom. 16h15
Sala Estúdio

a partir do texto homónimo de D. Francisco Manuel de Melo
encenação João Pedro Vaz
movimento Marta Silva
desenho de luz Nuno Meira
figurinos a partir dos figurinos de Octávio Clérigo para "O Fidalgo Aprendiz” de 1988 e outras peças do espólio do TNDM II
com a colaboração de Ana Lúcia Figueiredo, Tânia Gonçalves Pereira
apoio à pesquisa Maria João Brilhante
cenografia Joana Villaverde
com Afonso Santos, Carlos Malvarez, Crista Alfaiate, Gonçalo Fonseca, Mónica Tavares, Paula Mora, Valdemar Santos
co-produção TNDM II e Comédias do Minho
público-alvo jovens e famílias
M/12

Auto, farsa ou comédia de tipo burlesco, "O Fidalgo Aprendiz” é uma peça de teatro da autoria de D. Francisco Manuel de Melo, publicada pela primeira vez em 1665. Escrita na prisão, esta é uma obra dramática cheia de personalidades e bem portuguesa, uma farsa como o "Bourgeois Gentilhomme”, com as mesmas fontes italianas. Nela se faz a crítica ao fidalgo pelintra,  seguindo a tradição vicentina do Ridendo castigat mores.

Aprender a dançar sem música, esgrimir sem espada, declamar sem poesia… Eis as lições para a instrução tardia de um nobre provinciano que procura deslumbrar as damas e a cidade. E, à força de tanto (se) enganar, sai enganado. Ícone da dramaturgia clássica nacional, esta peça é agora transformada num espectáculo-oficina, onde o público é convidado a mover-se entre palco e plateia, actor e espectador, observado e observador.

©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
©Alípio Padilha
1/10