O Rei no exílio - Remake

deFrancisco Camacho/EIRA
29 jun 2018
sex, 21h
Sala Garrett
Espetáculo legendado em português e inglês


textos
 D. Manuel II, António Cabral e Francisco Camacho
coreografia e interpretação Francisco Camacho
direção técnica e desenho de luz Frank Laubenheimer 
consultadoria de voz e interpretação Fernanda Lapa
cenário Philip Cabau
figurinos e assistência de ensaios Carlota Lagido
banda sonora Carlos Zíngaro, Ruy Coelho, Natália de Andrade e Nick Cave
produção EIRA
coprodução FIDCU - Festival Internacional de Danza Contemporánea de Uruguay (Montevideu)
duração 45 min.
M/12 

A EIRA é uma estrutura cofinanciada pela República Portuguesa - Ministério da Cultura / Direcção-Geral das Artes

Onde a solidão é permanente.
____
 
Passados 27 anos e após ser apresentado em 27 cidades na Europa, África e América, Francisco Camacho regressa ao D. Maria II, onde estreou O Rei no Exílio, para uma única apresentação do remake deste espectáculo que o projetou internacionalmente.
Livremente inspirado no último rei de Portugal, D. Manuel II, exilado em Inglaterra em 1910, este solo dá a ver uma personagem dividida entre a passividade e a ação, que hesita em envolver-se na luta pelo poder e se rodeia de prazeres triviais. O auge da crise financeira em Portugal motivou a reelaboração da proposta coreográfica, em 2013. Ainda que partindo de uma figura histórica, expõe-se aqui um corpo presente, preso na dialética entre razão privada e razão de Estado, entre poder e potência, envolto num manto de ironia que mais amplifica na atualidade o apelo particular desta obra marcante da história da dança portuguesa.