Quinteto À Vent-Garde: Sopros de luz

integrado noFestival Antena 2
7 fev 2019
qui, 19h
Salão Nobre

composições de António Vitorino D’Almeida, Irving Fine, Jacques Ibert, Ligeti, Radamés Gnattali
flauta Rui Borges Maia
oboé Paulo Barros Areias
clarinete Ricardo Gama Henriques
trompa Hélder Vales
fagote Ricardo André Santos
produção Antena 2

A classificar pela CCE
 

São 50 anos de criação num concerto de obras escolhidas a dedo, cada uma revelando de forma luminosa a natureza dos cinco instrumentos do quinteto que a interpreta. Jacques Ibert escreveu a mais antiga - Trois Pièces Brèves, de 1930 –, com o encanto e sentido de humor que caracterizam a sua obra; Partita, de Irving Fine, é exemplar da música composta nos EUA para quinteto de sopros, além de ter sido criada em 1948, ano da primeira emissão do Programa B da Emissora Nacional (atual Antena 2); Seis Bagatelas, de 1959, é a primeira de duas composições em que G. Ligeti usa um quinteto de sopros; Radamés Gnatalli compõe a Suite para Quinteto em 1971, em pleno regime militar brasileiro, período em que a música instrumental renasce como resposta à forte repressão à liberdade de expressão; e António Victorino D’Almeida, figura incontornável da música portuguesa, dá a ouvir o seu Quinteto de Sopros, Opus 56, obra de 1979 que se caracteriza por um único andamento, guiado por uma bela melodia, sempre cantabile, temperada por constantes rasgos de virtuosismo.