"Parlamento Elefante" é o projeto vencedor da Bolsa Amélia Rey Colaço

Vencedor da primeira edição da Bolsa Amélia Rey Colaço

Nesta primeira edição da Bolsa Amélia Rey Colaço, recebemos 87 candidaturas de companhias e artistas de todo o país. Embora a esmagadora maioria provenha de artistas ou grupos de artistas jovens, estudámos também candidaturas de novos artistas de todas as idades. A chamada emergência não é, de facto, uma questão etária, seja pela falta de recursos no teatro português ou porque simplesmente não há idade para iniciar um percurso como criador.

Consideramos muito importante destacar a qualidade de grande número das propostas enviadas. É um sintoma de que, mesmo face a muitas dificuldades, há um horizonte de esperança para artistas, profissionais e público de teatro portugueses.

Dada a qualidade das candidaturas, foi uma tarefa árdua selecionar um projeto vencedor, mas foi também um enorme prazer descobrir diversas propostas com os quais não estávamos familiarizados. Uma das vantagens de serem o Teatro Nacional D. Maria II, o Centro Cultural Vila Flor e O Espaço do Tempo a organizar esta iniciativa é que a análise destas candidaturas serviu não apenas para selecionar um vencedor da bolsa mas também para medir o pulso ao teatro emergente português. Sabemos que as casas em que trabalhamos, poderão acompanhar e colaborar com vários projetos que se candidataram, mesmo que não tenham ganho esta bolsa.

Assim, é com alegria que anunciamos que a candidatura vencedora da primeira Bolsa Amélia Rey Colaço, no ano em que se celebram os 120 anos do nascimento desta figura pioneira do teatro português, é o projeto Parlamento Elefante de Marco Mendonça, João Pedro Leal e Eduardo Molina. Trata-se de uma proposta artística muito consistente e com fulgor criativo, que articula claramente uma pesquisa dramatúrgica com uma reflexão política e histórica. Embora jovens, os autores revelam um currículo rico e diverso, tendo também constituído uma equipa de colaboradores artísticos de qualidade para a criação deste espetáculo.

Saudamos todos os candidatos a esta primeira Bolsa Amélia Rey Colaço, com o compromisso de continuar este projeto já no próximo ano.


O júri,
Rui Horta, Rui Torrinha e Tiago Rodrigues

9 de maio de 2018