Bajazet, considerando o Teatro e a Peste

encenaçãoFrank Castorf
textosAntonin Artaud e Jean Racine
19 - 20 jun 2020
sex e sáb, 19h
Sala Garrett
encenação Frank Castorf
textos de Antonin Artaud e Jean Racine
com Adama Diop, Claire Sermonne, Jean-Damien Barbin, Jeanne Balibar, Mounir Margoum e uma câmara ao vivo
música William Minke
cenografia Aleksandar Denic
figurinos Adriana Braga Peretzki
desenho de luz Lothar Baumgarte
vídeo Andreas Deinert
assistência de encenação Hanna Lasserre
produção Théâtre Vidy-Lausanne, MC93 - Maison de la Culture de Seine St-Denis
coprodução Festival d’Automne à Paris, Extrapôle Sud-PACA, Grand Théâtre de Provence 
apoios Friche Belle de mai, Théâtre National de Strasbourg, Maillon Théâtre de Strasbourg - scène européenne, TANDEM Scène nationale, Douai - Bonlieu, Scène nationale Annecy, TNA / Teatro Nacional Argentino, Teatro Cervantes
apoio financeiro projeto PEPS no âmbito do programa europeu de cooperação transfronteiriça Interreg France-Suisse 2014-2020
 
duração 4h (com intervalo)

Estreia do espetáculo no Théâtre Vidy-Lausanne, na Suíça, a 30 de outubro de 2019
Saiba mais aqui. 


Frank Castorf, diretor de longa data do famoso Volksbühne, em Berlim, apropria-se de Bajazet, de Racine, e de Antonin Artaud, com uma grande equipa de intérpretes franceses, incluindo a célebre Jeanne Balibar. Um agitador do teatro alemão há mais de quarenta anos, Castorf é célebre pela sua liderança de atores fervorosa e intensa e pelo uso do vídeo de forma pioneira. O seu teatro está fortemente ligado à sua liberdade de agir e de pensar, sem fugir das suas contradições, mas recusando ferozmente qualquer compromisso.

Em Bajazet, considerando O Teatro e a Peste, Castorf junta-se a dois grandes poetas franceses – Artaud e Racine - e desperta os nossos demónios.