Bacantes - Prelúdio para uma purga

a partir deEurípides
criaçãoMarlene Monteiro Freitas
20 - 30 abr 2017
qua, 19h >  qui – sáb, 21h > dom, 16h
Sala Garrett
a partir de Eurípides
criação Marlene Monteiro Freitas 
com Andreas Merk, Betty Tchomanga, Cookie, Cláudio Silva, Flora Détraz, Gonçalo Marques, Guillaume Gardey de Soos, Johannes Krieger, Lander Patrick*, Marlene Monteiro Freitas, Miguel Filipe, Tomás Moital, Yaw Tembe 
luz e espaço Yannick Fouassier
som Tiago Cerqueira
bancos João Francisco Figueira, Miguel Figueira
assistência de figurinos Cristina Neves
produção P.OR.K
difusão Key Performance
coprodução TNDM II, Kunstenfestivaldesarts, steirischer herbst festival & Alkantara com o apoio de NXTSTP — Programa Cultura da União Europeia, NorrlandsOperan, Festival Montpellier Danse 2017, Bonlieu Scène nationale Annecy & La Bâtie — Festival de Genève no âmbito do FEDER com o apoio do programa Interreg France-Suisse 2014-2020, Teatro Municipal do Porto, Le Cuvier – Centre de Développement Chorégraphique, HAU Hebbel am Ufer, International Summer Festival Kampnagel, Athens and Epidaurus Festival, Münchner Kammerspiele, Kurtheater Baden, SPRING Performing Arts Festival Utrecht, Zürcher Theater Spektakel, Nouveau Théâtre de Montreuil – centre dramatique national, Les Spectacles Vivants / Centre Pompidou 
apoio residência TNDM II, O Espaço do Tempo — no contexto de Artista Associada, Montpellier Danse à l´Agora, cité internationale de la danse, ICI – centre chorégraphique national Montpellier - Occitanie / Pyrénées- Méditerranée / Direction Christian Rizzo – dans le cadre du programme de résidence Par/ICI 
Espetáculo coapresentado em parceria com Alkantara, com apoio NXTSTP/ Programa Cultura da União Europeia. 

*Nas sessões de dias 27, 28 e 29 de abril o bailarino, Lander Patrick, será substituído por Teresa Silva.

M/6


O delírio e o irracional.
____

Em Eurípides, está presente o delírio e o irracional. Manifesta-se a ferocidade e o desejo de paz, a selvajaria e a aspiração a uma vida simples. Encontram-se, no seu texto, direções contraditórias, elementos que chocam, corpos íntegros que se desmembram e crenças testadas ao limite. Este é o mundo, moral e estético, que o autor convida a percorrer e que Marlene Monteiro Freitas tomou na construção de Bacantes — Prelúdio para uma Purga.

A coreógrafa e bailarina tem como denominador comum nas suas peças a abertura, a impureza e a intensidade. Agora, mergulha neste clássico do teatro para levar, à Sala Garrett, um autêntico combate de aparências e dissimulações,polarizado entre os campos de Apolo e Dionísio.


No dia 26 de abril, haverá uma conversa com os artistas após o espetáculo. A moderação estará ao cargo da jornalista Maria João Guardão.