Canas 44

integrado noCiclo Portugal em vias de extinção
direção artísticaVictor Hugo Pontes
25 - 28 jan 2018
qui - sáb, 21h30 > dom, 16h30
Sala Estúdio
direção artística e dramaturgia Victor Hugo Pontes
criação Amarelo Silvestre
com textos de Maria Gil e Fernando Giestas
com Leonor Keil e Rafaela Santos
espaço cénico Henrique Ralheta
desenho de luz Cristóvão Cunha
música original Rui Lima e Sérgio Martins
adereços Lira
apoio à montagem Carolina Reis
produção executiva Susana Rocha
coprodução Amarelo Silvestre, Nome Próprio, TNDM II, Centro de Arte de Ovar, Câmara Municipal de Nelas 
apoio à produção Nome Próprio
apoio República Portuguesa - Ministério da Cultura / Direção Geral das Artes
parceria As Casas do Visconde
outros apoios Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Canas de Senhorim, Borgstena, Patinter
M/12 
Quando as pessoas desaparecem, o que é que fica nos lugares?
____

Em Canas 44, há uma personagem que chega e há uma personagem que parte. Uma quer construir uma vida nova e a outra quer partir para ganhar mundo. Em comum, o mesmo lugar, Canas de  Senhorim, que nunca é mencionado e, por isso, Canas é todos os lugares. Têm ainda em comum o número quarenta e quatro — anos de idade. A partir daqui constrói-se um universo autoficcional que especula sobre pessoas, lugares, ruas, que já não existem ou que estão em vias de desaparecimento, numa constante enumeração dessa memorabilia, como um movimento contínuo entre utopia e catástrofe, como se ressuscitar os mortos fosse uma forma de inscrevê-los na História.
© José Caldeira
Canas 44
© José Caldeira
Canas 44
© José Caldeira
Canas 44
© José Caldeira
Canas 44
© José Caldeira
Canas 44
© José Caldeira
Canas 44
José Caldeira
Canas 44
José Caldeira
Canas 44
© José Caldeira
Canas 44
© José Caldeira
Canas 44
1/10

Relacionado