O Grande dia da batalha

variações sobre oAlbergue Nocturno de Máximo Gorki e Jorge Silva Melo
18 jan - 25 fev 2018
qua, 19h > qui - sáb, 21h > dom, 16h
Sala Garrett
variações sobre o Albergue Nocturno de Máximo Gorki e Jorge Silva Melo
com Vânia Rodrigues, Paula Mora, Rúben Gomes, Hugo Tourita, Figueira Cid, André Loubet, José Neves, Simon Frankel, Ricardo Aibéo, Inês Pereira, Gonçalo Carvalho, João Pedro Mamede, Pedro Baptista, Tiago Matias, Gonçalo Egito, João Estima, Diana Narciso, Rita Delgado, Miguel Galamba, Sara Inês Gigante
cenografia e figurinos Rita Lopes Alves 
construções Thomas Kharel
som André Pires
apoio musical Rui Rebelo
luz Pedro Domingos 
fotografias Jorge Gonçalves
produção Artistas Unidos
coprodução TNDM II
M/12
Vivem numa batalha selvagem contra si próprios.
____


Como viver quando o abismo da precariedade, da miséria e da desgraça cada dia mais se abre debaixo dos nossos pés, neste agónico capitalismo em que nos afundamos?
Em Albergue Nocturno, que escreveu em 1902, peça que abriu a hipótese de um realismo coral, Máximo Gorki descreve um mundo em ruptura com a lei, social e moral, lembra gente que quer sobreviver, inventar um futuro. Submissos ou revoltados, nostálgicos de um passado que se foi, febris, vivem numa batalha selvagem contra si próprios e os outros para se manterem homens. Ou até para fazerem surgir um homem novo.



Conversa com os artistas
28 jan, após o espetáculo
moderação Maria João Guardão

Sessão com interpretação em Língua Gestual Portuguesa e Audiodescrição
28 jan


©Jorge Gonçalves
©Jorge Gonçalves
©Jorge Gonçalves
©Jorge Gonçalves
©Jorge Gonçalves
©Jorge Gonçalves
©Jorge Gonçalves
©Jorge Gonçalves
©Jorge Gonçalves
©Jorge Gonçalves
1/10
O Grande dia da batalha