A floresta que anda

TrilogiaChristiane Jatahy
inspirado em "Macbeth" de William Shakespeare
18 - 20 mai 2018
horários a anunciar
Sala Garrett
inspirado em Macbeth de William Shakespeare
criação e direção Christiane Jatahy
com Julia Bernat
filmes Christiane Jatahy e Paulo Camacho
câmara ao vivo e iluminação Paulo Camacho
conceção espacial Christiane Jatahy e Marcelo Lipiani
direção de arte e cenário Marcelo Lipiani
projeto de som e sonoplastia Estevão Case
figurino Fause Haten
interlocução artística e assistente de direção Fernanda Bond
colaboradores artísticos Isabel Teixeira, Stella Rabello, Henrique Mariano
tecnologia de vídeo Julio Parente
assistente de iluminação e operador Leandro Barreto
assistente de palco Thiago Katona e Diogo Magalhães
operação de vídeo e música ao vivo Felipe Norkus 
técnico de vídeo Bruno Drolshagen
mistura som ao vivo Benhur Machado
fotografias Aline Macedo e Marcelo Lipiani
direção de produção e tour manager Henrique Mariano
coprodução Le Centquatre-Paris, Odeon Théâtre de l’Europe Paris, Künstlerhaus Mousonturm Frankfurt, TEMPO_FESTIVAL, Cena Contemporânea  e SESC 
um projeto da  Cia. Vértice de Teatro
As imagens das obras da série Híbridos do artista Walmor Correa foram gentilmente cedidas. 
M/18 
Cena de sonhos perdidos.
O Globo
__

A Floresta que anda é um trabalho de Christiane Jatahy sobre o sistema político, económico e social que se vive no Brasil e no mundo. Quem seria, ou o que seria, Macbeth hoje? Uma pergunta, não para encontrar alguém que o simbolize, mas para refletir sobre como a relação gananciosa dos sistemas de poder nos envolve e nos atravessa. 
Desta feita, o espaço cénico vai funcionar como uma galeria de arte, abrigando uma vídeo-instalação, composta por quatro telas que exibirão histórias de jovens que viram a sua vida atravessada pelo sistema vigente. A cada dia, o local será palco de uma vernissage – com direito a serviço de bar – e os espectadores serão parte de uma performance que mistura realidade e ficção.

Relacionado