Please please please

de La Ribot, Matilde Monnier e Tiago Rodrigues
integrado no ciclo Danço, logo existo
28 - 29 abr 2020 - Teatro Municipal do Porto, Porto (PT)
12 - 13 mai 2020 - Lieu Unique, Nantes (FR)
15 - 16 mai 2020 - Le Quai CDN Angers, Angers (FR)
31 mai 2020 - Teatros del Canal, Madrid (ES)
2 jun 2020 - Teatros del Canal, Madrid (ES)
4 jun 2020 - Teatros del Canal, Madrid (ES)
9 jun 2020 - La Rose des Vents - Scène Nationale Lille Métropole, Villeneuve-d'Ascq (FR)
de La Ribot, Matilde Monnier e Tiago Rodrigues
com La Ribot, Mathilde Monnier
desenho de luz Éric Wurtz
tradução Thomas Resendes
produção Le Quai - Centre Dramatique National Angers Pays de la Loire
coprodução TNDM II, Teatros del Canal, Théâtre Vidy-Lausanne, Centre national d’art et de culture Georges-Pompidou, Festival d’Automne à Paris, Comédie de Genève, Rivoli - Teatro Municipal do Porto, Le Parvis scène nationale Tarbes Pyrénées, Theaterfestival Boulevard, Les Hivernales - CDCN d’Avignon, BIT Teatergarasjen, Compagnie MM, La Ribot-Genève
apoios OPART, Estúdios Victor Córdon
financiamento Fondation d’entreprise Hermès no âmbito do programa New Settings

A classificar pela CCE

Espetáculo a estrear a 5 de setembro de 2019 no Théâtre Vidy-Lausanne, na Suíça
Resultado da colaboração entre a coreógrafa francesa Mathilde Monnier, a coreógrafa hispano-suíça La Ribot e o encenador português Tiago Rodrigues, este espetáculo sobre a relação entre a norma social e as personalidades que escapam a essa norma é apresentado em Lisboa depois de uma longa digressão europeia, seguindo depois para o Porto, em colaboração com o Festival DDD.
 
Duas mulheres no palco dirigem-se aos seus filhos e filhas. É uma mensagem para as futuras gerações, uma mensagem do presente que é enviada no tempo, um diálogo sobre o mundo que está por vir, sobre a evolução do mundo e uma reflexão sobre uma possível e lenta extinção do planeta...
Uma mensagem para dizer o que fizemos e não fizemos para preservar este mundo, para que os ursos vivam, para que as abelhas vivam, para que um desastre não aconteça, para continuar a acreditar, para esperar...